terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Plano de Actividades da Candidatura Única à Direcção da AAUTAD

O MUTAD não pode deixar de aplaudir o grande mérito, dos candidatos, na sua capacidade de síntese e escrita criativa na construção deste extenso Plano de Actividades.
É sem dúvida alguma, um "Plano" sumariamente detalhado digno de um qualquer estudante de Gestão. Bons ventos se avizinham para a escrita do orçamento, indiciando que este ano, não teremos apenas uma tabela, mas também um poema lateral que irá descrever todos os objectivos aos quais esse dinheiro se destina.
Este Plano de Actividades é também uma homenagem ao falecido escritor Português, José Saramago, na sua total ausência de pontuação.

Habemus Direcção, agora só nos falta o rumo.

Ver aqui o Plano de Actividades

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

História da Revolta Estudantil

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Protestos estudantis dos últimos dias a nível internacional

http://www.uniriot.org/uniriotII/images/user_images2/25.11milano.png
  • Italy: Occupations, Demonstrations, Sit-ins, Teach-ins, Flashmobs across the country against education reforms, that will result in huge cuts and an increasing privatisation of education in the past few days. Some updates on this were already sent to the list in the past days and hour, so here is just one link: uniriot.org
  • Kathmandu (Nepal): Today 1000 students staged a sit-in at the Ministry of Education to protest for support of poor students (20% scholarship quota). Students at the Purbanchal University have been on strike for the past 12 days already. Pictures and details on: emancipating-education-for-all.org
  • Ottawa (Canada): Students occupied the president’s office at the University of Ottawa on Nov.24th to protest hikes in tuition fees. Press release and pictures:emancipating-education-for-all.org
  • Philippines: Students and faculty staff went on strike across the Philippines for the second day today. Thousands of people took to the streets to protest cuts and fees. Another hige day of action is scheduled for Dec.1st. Videos, pictures and reports: emancipating-education-for-all.org
  • Santiago (Chile): Students and professors have been protesting in the capital of Chile against cuts in Social Sciences and History classes on Nov.24th and Nov.25th. Protesters staging a sit-in were attacked by police forces on Wednesday – 19 students and 2 professors were detained. A video and pictures: emancipating-education-for-all.org
  • UK: As many of you probably noticed, students and increasingly pupils as well across the UK have been resisting cuts and fees for the past few days. It is estimated that around 130,000 people took to the streets on Wednesday. Occupations at around 10 universities continue. Next day of action is scheduled for Nov.30th. Details on: anticuts.com + anticuts.org.uk
in A Garra (foto: Unriot)

domingo, 28 de novembro de 2010

O Movimento Estudantil britânico a ferver

~

O movimento estudantil britânico não pára de crescer em números e em militância. O mês de Novembro tem visto muitos estudantes, professores e funcionários nas ruas em protesto contra a subida abismal das propinas (que de cerca de £3000/ano passam a ter o valor de até £9000/ano) e contra outros cortes orçamentais na área da educação.

De notar será o facto de que Nick Clegg, actual Vice-Primeiro-Ministro e líder dos Liberal Democrats, prometeu, durante a campanha electoral, não subir as propinas e até defendeu acabar com as mesmas, faseadamente. A coligação governante Conservative-Liberal Democrats propôs também o corte no orçamento do ensino em 80%; o corte completo do financiamento estatal nas áreas de Humanidades, Artes e Ciências Sociais; e o fim d@ Education Maintenance Allowance, uma bolsa a que os adolescentes mais desfavorecidos têm direito e que os ajuda no pagamento de material escolar e transportes, um grande incentivo (ou condição!) para que permaneçam no sistema educativo.

No passado dia 10 de Novembro 52 mil estudantes manifestaram-se nas ruas de Londres, naquela que foi a maior manifestação estudantil das duas últimas décadas. Tomadas as ruas de Londres, os estudantes procederam à ocupação da sede do partido Conservador, situada no edifício Millbank. A fúria dos estudantes foi sentida através de algumas janelas partidas (que fizeram as capas de todos os jornais no dia seguinte), mas principalmente por uma multidão que não cessou de apoiar a alto e bom som aqueles que se encontravam dentro do edifício e no telhado do mesmo. Infelizmente, a liderança da NUS (National Union of Students), condenou arduamente o ataque às janelas da sede dos Tories, em vez de apontar o dedo aos verdadeiros vândalos, que ocupavam o edifício Millbank muito antes do dia 10.

A força das acções do dia 10 inspiraram a Universidade de Manchester a participar numa ocupação-flash, a Universidade de Sussex a ocupar um auditório durante 5 dias e a convocação de mais um dia nacional de acção, desta feita para o dia 24 de Novembro. A passada Quarta-feira 24 foi marcada por manifestações por todo o país, tendo 130 mil estudantes participado nos protestos. Nas manifestações estiveram presentes muitos alunos do 2º e 3º ciclos e secundário, que saíram das suas salas de aula às 11 da manhã, numa espécie de greve de estudantes. Horas mais tarde, muitos foram confrontados pela primeira vez com abuso policial. A táctica de “kettling” foi amplamente usada, tendo havido relatórios de grupos confinados em pequenos espaços durante 9 horas.

Na manifestação em Brighton um edifício dos Paços do Concelho foi brevemente ocupado, assim como uma loja da Vodafone, empresa que deve ao fisco £6 mil milhões. Um edifício da Universidade de Brighton foi também ocupado com sucesso, até à data. O mesmo aconteceu com mais cerca de 20 universidades por todo o país, a maioria das quais sem grande história recente de protestos ocupacionais. A onda de ocupações mantém-se, existindo entre elas grandes laços de solidariedade que se fomentam com a ajuda de tecnologia (skype, twitter, facebook, blogs,…).

Há um grande sentido de união e um desejo enorme de transformar o conceito da universidade. Uma ocupação não é só uma forma de protesto, mas um espaço que os ocupantes utilizam para promover discussões e diálogos sobre a educação que gostariam de promover e receber, sobre as lutas que se interligam às suas, sobre melhores maneiras de combater o governo Conservador nos seus ataques aos serviços públicos. Uma ocupação é um espaço de pensamento verdadeiramente livre.

Os dias 10 e 24 de Novembro foram só o início de uma grande batalha. Já foram convocados outros dois dias nacionais de acção contra cortes na educação: 30 de Novembro – esta próxima 3ª-Feira – e dia 5 de Dezembro – Domingo. As expectativas são altas. Os estudantes estão prontos. A hora: revolta.

Texto escrito para A Garra,

Catarina Carvalho, estudante da Universidade de Sussex

Cortes nos apoios sociais a estudantes criam problemas

Já foram recusadas metade das candidaturas da primeira fase a bolsas de estudo na Universidade do Minho. O número de alunos a pedir apoio social é praticamente o mesmo que no ano passado, mas com as novas regras muitos não vão ter direito à bolsa e correm o risco de ter de abandonar o curso.


in RTP

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Realização de uma semana de campanha de consciencialização do corte nas bolsas da Acção Social

Ontem dia 25 de Novembro de 2010, em Assembleia Geral Extraordinária, foi entregue na mesa por parte do MUTAD uma moção (em baixo transcrita) para a realização de uma semana de campanha de consciencialização do corte nas bolsas da Acção Social e financiamento do ensino superior público.

A moção foi aprovada com 5 votos favor, 0 contra e 51 abstenções.


MOÇÃO

Tendo em conta a manifestação nacional dos e das estudantes do Ensino Superior no passado dia 17 de Novembro face às medidas de austeridade, nomeadamente o Decreto-Lei nº 70/2010 de 16 de Junho que recalcula as prestações sociais e que retirará a bolsa da Acção Social Escolar a milhares de estudantes;

Tendo em conta a Greve Geral do passado dia 24 de Novembro contra o Orçamento de Estado, que inclui o referido Decreto-Lei nº 70/2010 de 16 de Junho, e o corte no financiamento do ensino superior público, com a qual esta Assembleia Geral se mostrou solidária;

Tendo em conta que o debate sobre a política educativa e a consciencialização dos e das estudantes para os problemas do ensino superior desta academia se encontra afastado ou minimizado comparado com o estado actual da luta nacional:

Os estudantes da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro reunidos hoje em Assembleia Geral, deliberam que:

1- a Direcção promova, no início do segundo semestre, uma semana de campanha de consciencialização (cartazes, boletins informativos, comunicação social, acções de rua) que vise a informar os e as estudantes sobre Decreto-Lei nº 70/2010 de 16 de Junho e o corte no financiamento do ensino público, apelando à solidariedade entre todos;

2- a Direcção realize uma Assembleia Geral na semana seguinte para fazer um balanço da campanha, discutir a politica educativa e as formas de luta que daí possam resultar.


quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Estudantes italianos em protesto invadem Torre de Pisa e Coliseu

http://www.dawn.com/wp-content/uploads/2010/11/Rome-AP-543.jpg

Estudantes italianos bloquearam ruas e invadiram a Torre de Pisa e o Coliseu romano na quinta-feira, num protesto contra a reforma universitária proposta pelo claudicante governo de Silvio Berlusconi.

As medidas, que tramitam no Parlamento, incluem cortes de gastos e limite de tempo para pesquisas.

Milhares de estudantes saíram às ruas de toda a Itália e ocuparam edifícios universitários. Um aluno ficou ferido em confronto com a polícia em Florença, segundo agências de notícias, mas as manifestações em geral foram pacíficas.

"Vamos impedir essa reforma", gritavam os estudantes em frente ao Parlamento, agitando cartazes e sinalizadores de fumaça.

Eles conseguiram burlar a segurança da Torre de Pisa e colocaram cartazes no topo do famoso monumento inclinado. Também entraram no Coliseu, em Roma, saltando as catracas.

O protesto é parte de uma onda de manifestações contra medidas de austeridade fiscal em toda a Europa. Em Londres, milhares de pessoas foram às ruas na quarta-feira em protesto contra o aumento das taxas universitárias.

A reação dos estudantes italianos é mais um golpe para Berlusconi, com a popularidade abalada devido aos problemas econômicos do país e a uma série de escândalos morais e financeiros envolvendo-o. Duas votações no Parlamento, marcadas para 14 de novembro, podem levar a eleições antecipadas na Itália.

A ministra da Educação, Mariastella Gelmini, disse que as reformas, destinadas a poupar bilhões de euros até o fim de 2012, criarão um sistema mais baseado no mérito.

Críticos dizem que as universidades já têm um déficit de 1,35 bilhão de euros previsto para o ano que vem, e que os cortes propostos agravarão a situação do ensino superior.


Na quinta-feira, o governo foi derrotado no Parlamento numa emenda a essa reforma. Berlusconi não tem mais maioria entre os deputados devido a um racha na sua coalizão.

Gelmini disse que a emenda tem pouca importância, mas que ela pode abandonar a reforma, a ser votada pelo plenário em 30 de novembro, caso modificações mais substanciais sejam incluídas.

Pier Luigi Bersani, líder do Partido Democrático, o principal de centro-esquerda, defendeu que a reforma seja imediatamente retirada.

"Comecemos discutindo como podemos corrigir as distorções nesta lei e como podemos encontrar recursos para apoiar o direito ao estudo e à pesquisa."

by CATHERINE HORNBY E GABRIELE PILERI in Estadão (Foto AP)

Estudantes ocupam universidades e enfrentam a polícia em Londres

Milhares de estudantes voltaram para as ruas do centro de Londres nesta quarta-feira em mais uma onda de protestos contra um aumento nas taxas anuais de empréstimos estudantis cobradas pelas universidades da Inglaterra.

Policiais estão tentando conter os estudantes e uma van da polícia foi cercada e atacada. A polícia já alertou que fará prisões caso os protestos fiquem mais violentos.

Os estudantes britânicos ocuparam universidades em Plymouth, Birmingham, Londres e Bristol. Marchas e outros protestos também estão acontecendo em universidades e colégios em Manchester, Liverpool, Sheffield, Oxford, Cambridge, Leeds, Newcastle e em várias cidades da Escócia.

Em um pronunciamento antes dos protestos, o vice-primeiro-ministro Nick Clegg pediu que os estudantes voltassem a analisar os planos de aumento dos empréstimos estudantis antes de participar das manifestações.

"Examinem nossas propostas antes de tomar as ruas. Escutem e analisem antes de marchar e gritar", pediu Clegg.

O plano do governo é cortar o orçamento para a educação superior em até 40% e eliminar as bolsas para professores, salvo as de ciência e matemática.

Outros custos devem passar a ser financiados pelo aumento nas taxas dos empréstimos estudantis, que seriam elevadas a partir de 2012.

O piso das anuidades dos empréstimos passaria de 3.290 libras (R$ 8,9 mil) para 6 mil libras, e algumas universidades poderiam cobrar até 9 mil libras em "circunstâncias excepcionais" - se oferecem, por exemplo, bolsas e programas que incentivassem estudantes mais pobres a cursá-las. Segundo autoridades, o novo sistema é mais "justo".

O empréstimo de anuidade poderá ser quitado quando o formando estiver ganhando um salário anual a partir de 21 mil libras.

Partido Conservador

Depois de se reunir em Trafalgar Square, no centro da capital britânica, os estudantes marcharam em frente à residência do primeiro-ministro, em Downing Street.

Logo em seguida, a polícia conseguiu conter o protesto, antes que os estudantes chegassem à praça em frente ao Parlamento.

Um outro protesto de estudantes em Londres, há duas semanas, acabou com um ataque à sede do Partido Conservador (governista). Até agora foram feitas 65 prisões relacionadas ao incidente.

Nesta quarta-feira os manifestantes planejam se reunir em frente à sede do Partido Liberal Democrata, de Nick Clegg, cujos líderes se transformaram em alvo dos estudantes.

Os manifestantes acusaram os parlamentares do partido de não cumprir a promessa de votar contra o aumento nos empréstimos estudantis.

Os protestos não foram organizados pela União Nacional de Estudantes e, por causa disso, não se sabe qual será o padrão das manifestações. O que estudantes prometeram apenas um "carnaval de resistência", com música e discursos.

"Temos o direito de protestar, temos o direito à desobediência civil, temos o direito de ocupar nossas salas de aula", disse Mark Bergfeld, porta-voz da organização Rede de Ativistas pela Educação, um dos grupos organizadores dos protestos.

in BBC Brasil

Protestos de estudantes britânicos contra aumento das propinas acalmam ao terceiro dia

Os protestos dos estudantes britânicos contra o plano do Governo conservador de aumentar as propinas e cortar no investimento público na Educação mostram-se hoje mais calmos, mas dezenas de manifestantes continuam a ocupar salas de aulas nas universidades de Edimburgo, Cradiff e Londres.
O Governo condenou o carácter violento de alguns protestos dos estudantes
O Governo condenou o carácter violento de alguns protestos dos estudantes (Foto: David Moir/Reuters)


Um dos cem alunos ainda sitiados esta manhã, desde as 12h30 de ontem na Universidade de Londres, Jonathan Moses, disse ao diário "Guardian" que estão preparados para "ficar [ali] indefinidamente". "O nosso protesto tem dois níveis. Um é local, contra a cumplicidade da Universidade de Londres em prol das reformas do Governo de coligação, e o outro é nacional, instando a uma acção directa contra os cortes que estão a ser coordenados em todas as universidades", afirmou.

Um outro grupo mais pequeno, de cerca de 50 estudantes, ocupava esta manhã uma das bibliotecas da Universidade de Oxford, relata ainda o "Guardian".

Na véspera, os estudantes abandonaram as escolas logo às primeiras horas da manhã, marchando pelas ruas em várias cidades e ocupando edifícios universitários pelo caminho, com os incidentes de violência e tumultos com a polícia a serem registados sobretudo na zona central da capital britânica. Estima-se que mais de 130 mil estudantes se manifestaram ontem, pelo segundo dia consecutivo, por todo o Reino Unido e Escócia, incluindo muitos alunos de liceus, com 13 e 14 anos de idade.

Depois dos incidentes já do dia anterior, os agentes adoptaram ontem uma táctica de “cerco” que manteve os estudantes durante várias horas na Praça do Parlamento e, apesar de “aparentemente ter aumentado a raiva [dos manifestantes], também conteve a desordem”, descrevia o “Guardian”.

Nos distúrbios de ontem ficaram feridas 17 pessoas, incluindo dois polícias, e pelo menos 12 universidades foram ocupadas pelos manifestantes – incluindo a Biblioteca de Oxford.

Durante a madrugada, a polícia montada carregara sobre um grupo de uns mil estudantes perto de Trafalgar Square, os quais em correria pela zona atiraram cadeiras e cones de trânsito para as estradas e quebraram os vidros de algumas lojas e de pelo menos dois autocarros.

O Governo condenou o carácter violento dos protestos dos estudantes, sustentando que as manifestações estavam a ser manipuladas por grupos extremistas. Num tom intransigente, o ministro da Educação, Michael Gove, instou os media a não darem “o oxigénio da publicidade” a uma “minoria violenta” – expressão que evoca declarações da antiga primeira-ministra conservadora Margaret Thatcher, durante a década de 1980, a propósito das acções do IRA.

Mais comedido, o vice primeiro-ministro e líder dos Liberais Democratas (na aliança de Governo com os Tories do primeiro-ministro, David Cameron), Nick Clegg, lamentou profundamente ter que abdicar da promessa feita no período pré-eleitoral de que se oporia a qualquer plano de aumento das propinas.

“Tenho muita pena de não poder cumprir a promessa que fiz, mas – tal como na vida – às vezes não temos controlo total de todas as coisas necessárias a cumprir as nossas promessas. Claro que lamento profundamente ver-me agora nesta situação”, justificou-se durante o programa de rádio da BBC "Jeremy Vine Show".

Clegg, que se tornou no alvo das mais intensas críticas e fúria dos manifestantes, explicou que os Libdem tinham sido forçados a uma coligação de Governo e que o estado das finanças do país está pior do que tinha antecipado, pelo que teve que aceitar “cedências”.

Responsáveis das universidades no país entoaram alertas sobre o impacto “devastador” que pode ter um falhanço na aprovação dos planos do Governo em aumentar as propinas no ensino superior – dos actuais cerca de 3800 euros para uns sete mil ou mesmo dez mil euros anuais. Cameron quer levar este plano a voto no Parlamento ainda antes do Natal.

O director das Universidades do Reino Unido, Steve Smith, alega que sem o aumento dos custos dos cursos ter-se-á que diminuir o número de estudantes no ensino superior, uma vez que as bolsas sofrerão um enorme decréscimo.

Por Dulce Furtado in Público







in Guardian

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Greve na Universidade do Minho




A Universidade do Minho mantém abertas duas bibliotecas e três espaços de refeição nos pólos de Braga e Guimarães. Por causa da Greve Geral, os restantes serviços afectos à Acção Social estão encerrados.

A cantina e o grill do pólo de Braga, bem como o bar das residências universitárias de Guimarães estão em funcionamento. Em sentido contrário, a falta de pessoal levou ao encerramento de todos os bares do campus de Braga e da cantina de Guimarães.

As restantes unidades dos Serviços de Acção Social da Universidade do Minho, incluindo os serviços administrativos e os pavilhões desportivos estão encerrados. Esta quarta-feira não abriram também as bibliotecas de Guimarães e Congregados (no centro de Braga). Os alunos podem, no entanto, frequentar a Biblioteca Geral da Universidade e a Biblioteca Interactiva do campus de Guimarães.

Em Braga, cerca de 150 alunos, professores e funcionários estiveram em protesto durante toda esta manhã, associando-se à Greve Geral e criticando as medidas previstas no Orçamento de Estado que afectam o Ensino Superior. Não são, para já, conhecidos números da adesão dos docentes ao protesto, sendo certo que há aulas a decorrer naquela universidade.


Por Samuel Silva in Publico (fotos de Hugo Macedo)

Estudantes Italianos contra as reformas e cortes na edução

Un grupo de estudiantes ha tratado de asaltar el Senado italiano esta mañana enla que es la segunda jorada de protestas contra los recortes a la educación y la reforma educativa que ha propuesto el Gobierno de Siilvio Berlusconi.

http://imagenes.publico-estaticos.es/resources/archivos/2010/11/24/1290607925305estudiantesc4.jpg

Cerca de las 11 de la mañana los jóvenes se concentraron ataviados con escudos de colores y cascos de motocicleta en las puertas de Palazzo Madama (donde se encuentra el Senado). La policía trató de cerrar los portones pero consiguieron entrar en el hall que da acceso a la Cámara. No fue eso lo que frenó a los estudiantes, sino el desmayo de uno de sus compañeros que ha obligado a despejar el sitio para que fuera atendido por los servicios de emergencia.

Después se han plantado fuera del Senado tirando huevos y coreando gritos de "¡dimisión!" contra la ministra Maria Stella Gelmini, la responsable de la reforma. La policía ha intervenidoy uno de los chicos ha sido detenido.

Reducción del profesorado

La manifestación se desplazó después a Palazzo Grazioli, la residencia romana de Berlusconi y a Montecitorio, la sede del Parlamento, donde han protagonizado una sentada. En el trayecto por las calles del centro de Roma, ha habido enfretamientos con la policía aunque aún no hay noticias de más detenciones ni de heridos.

Es la segunda vez en dos semanas que los estudiantes italianos organizan una protesta contra el Gobierno. La reforma Gelmini propone la reducción del profesorado en la escuela pública a uno por clase y la reducción drástica de los recursos para la universidad y la investigación.

Las protestas llegaron también desde la escuela privada, pero tras una reunión con Gelmini, el Gobierno decidió dar marcha atrás en el recorte a las subvenciones a los institutos privados.

El Senado votará mañana la aprobación definitiva del proyecto de ley.

in PÚBLICO.ES





in La Repubblica

Faculdade de Letras da Universidade do Porto em Greve

http://sphotos.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-snc4/hs1229.snc4/156141_126157727443962_119265671466501_159479_173819_n.jpg
http://sphotos.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-snc4/hs1228.snc4/156032_126157717443963_119265671466501_159476_4197939_n.jpg http://sphotos.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-snc4/hs1123.snc4/148574_126157714110630_119265671466501_159475_1221506_n.jpg

100% de adesão na Escola Superior de Educação de Coimbra

A AE ESEC informa que a escola se encontra encerrada devido à greve geral. 100% de adesão na ESEC.

 in AE ESEC


 

Recorde «histórico» de adesão na Universidade do Algarve

A adesão de professores da Universidade do Algarve à greve geral desta quarta-feira foi «histórica», garantiu ao barlavento.online Paulo Sá, um dos professores grevistas.

Segundo Paulo Sá, a adesão foi «dez vezes superior» à que tem sido registada em anteriores greves, de tal maneira que não houve aulas nos dois campus da Universidade.

Também se registou uma forte participação na greve por parte dos funcionários administrativos e outros da UAlg, tendo os bares estado fechados.

À porta do Campus de Gambelas esteve um piquete de greve, de onde saiu uma moção pedindo ao reitor que acelere o processo de avaliação dos professores da UAlg, de modo a que possa ter lugar antes da entrada em vigor do congelamento de salários na função pública.

PSP pressiona piquete de greve de colectivo de estudantes da FCSH - Lisboa

http://1.bp.blogspot.com/_lhCkUctAfaA/TOzZPDG0NAI/AAAAAAAADcE/avMBrFkfFy0/s400/IMG00264-20101124-0913.jpg

Os agentes da PSP justificam que estão a identificar os estudantes porque estes estão a realizar uma manifestação não autorizada pelo Governo Civil.

Portanto, o ridículo que os agentes Flávio Simões e Jorge Arnauth da PSP assumem, confronta qualquer mais lato entendimento de democracia e liberdade num dia de Greve Geral.

in (foto de Fábio Salgado)

Segunda onda de protestos estudantis em Inglaterra contra as Propinas

Os alunos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa juntam-se à Greve Geral

A GREVE É PARA NÓS!

Hoje, 24 de Novembro, a greve é geral!

A greve é uma respostas colectiva aos problemas de todos. Ninguém pode mudar sozinho. Hoje não há aulas - não fures a greve!

Estudantes, Funcionários e Professores: todos somos vítimas dos sucessivos PEC's e das políticas de austeridade que nos estão a cortar a vida. E juntamo-nos porque queremos dizer que já basta!

Decreto-lei 70/2010 - Rejeitamos etse decreto-lei que vem impor cortes em todas as prestações sociais. Também os estudantes vão sofrer com ele: estima-se que mais de 20 mil alunos percam a bolsa.

Cerca de 30% dos trabalhadores do nosso país são precários. A instabilidade laboral afecta substancialmente os mais jovens, mas já é um plano global. Professores, funcionários, jornalistas, enfermeiros, bancários, são as vítimas dos recibos verdes, contractos a termo pelas empresas de trabalho temporário.

A subida do IVA nos produtos de primeira necessidade afectar sobretudo aqueles que já recebem menos e que já têm mais dificuldades.

As propinas estão hoje mais altas do que sempre, enquanto a acão social escolar e o financiamento diminui a olhos vistos. Hoje, há mais de 12 mil estudantes que fizeram empréstimos para estudar, entrando no mercado de trabalho e sem garantias, já endividados.

Por estas razões, e como votado em RGA, os alunos e alunas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa mobilizam-se e juntam-se à Greve Geral.

in Indymedia

Decreto-lei 70/2010 não deverá ser revogado

Apesar de haver acordo geral entre os grupos parlamentares que o documento precisa ser revisto, a maioria afasta um cenário de recuo no que toca ao decreto-lei.

http://www.acabra.net/imagens/887/highlight/ENSINO_SUPERIOR_-_MANIFESTACAO.jpg?1290607261

Na passada quarta-feira, 17, cerca de 3500 estudantes de Coimbra deslocaram-se a Lisboa para exigir a revogação inequívoca do polémico decreto-lei 70/2010. Já na capital, juntaram-se a colegas dos vários cantos do país para protestar contra as medidas do Ministério da Ciência e Tecnologia e Ensino Superior. Chegados à Assembleia da República (AR), os dirigentes associativos foram recebidos pelas várias bancadas parlamentares. No final da conversa, os dirigentes receberam a garantia de que as suas preocupações iriam ser discutidas em plenário da AR, a 9 de Dezembro.

No entanto a manifestação corre o risco de ter sido infrutífera visto que já houve uma proposta do Bloco de Esquerda (BE) para revogar o decreto-lei, mas foi chumbada pela maioria composta pelo Partido Socialista (PS) e pelo Partido Social Democrata (PSD), com o Partido Popular (PP) a abster-se. Quando confrontada com os potenciais efeitos do protesto, Paula Barros, deputada do PS, fecha a porta à revogação e afirma que “neste momento a revogação seria mais prejudicial do que benéfica”. “Provavelmente há algumas questões que possam ser revistas”, ressalva a deputada, “mas o decreto está em vigor e deve ser o guia orientador”.

O deputado social-democrata Pedro Rodrigues justificou o voto não favorável à revogação considerando que o seu partido não deve acompanhar o BE “na demagogia que tem feito nessa matéria”. No entanto Pedro Rodrigues sustenta que se deve “ponderar todas as matérias com precaução e calma e no momento certo tomar a posição devida”. Michael Seufert, deputado pelo PP, declara que apesar da abstenção na votação, “a questão que trouxe os estudantes à rua, o decreto, é justa e é uma questão que o Partido Popular acompanhou e continuará a acompanhar”.

O presidente da Associação de Estudantes da Escola Superior de Educação de Coimbra (AEESEC), João Morgado garante que, como medida de pressão, os alunos da ESEC vão interpor uma providência cautelar no Tribunal Administrativo para reparar o uso da receita das propinas, principalmente no Instituto Politécnico de Coimbra. Com esta medida pretendem pressionar “as instituições a falar para a opinião pública dos problemas graves de financiamento que estão a existir”.

O deputado do BE José Soeiro revela que a sua bancada parlamentar voltará a apresentar a proposta de revogação do decreto-lei e, também no dia 9, o Parlamento irá discutir um projecto lei do BE sobre o novo regime de atribuição de bolsas. Quem também votou favoravelmente à revogação do decreto-lei foi o Partido Comunista Português (PCP). O deputado comunista Miguel Tiago observa “um grande descontentamento justificado por parte dos estudantes” devido ao que afirma ser a “destruição do ensino superior público”. Miguel Tiago encara a anulação do documento como sendo “necessária”.

José Luís Ferreira do Partido Ecologista “Os Verdes” lamenta ainda não ter tido oportunidade de reunir com os estudantes, mas pretende marcar uma reunião numa data próxima.

Por Camilo Soldado in A Cabra

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Assembleia Geral 25/11/10 - Convocatória

Nos termos da Lei e de acordo com o artigo 35º, n.º1, alínea a) dos estatutos da Associação Académica da UTAD, venho por este meio convocar uma Assembleia Geral Extraordinária que terá lugar no Auditório do Geociências, pelas 21h00 do dia 25 de Novembro de 2010, com a seguinte ordem de trabalhos:

Ponto 1: Eleição dos Candidatos a Membros da Comissão Eleitoral
Ponto 2: Outros Assuntos

Se à hora indicada não houver quórum, a Assembleia Geral iniciar-se-á meia hora depois com os presentes.

Vila Real, 21 de Novembro de 2010
O Presidente da Mesa da Assembleia Geral
(André Pimentel Barbosa)

Apelo à Greve dos Estudantes a 24 de Novembro

O Governo e os sucessivos PECs a que se junta, agora, um Orçamento de Estado deplorável vêm atacando de forma cada vez mais gritante a nossa sociedade. O fosso entre os ricos e os pobres alarga-se a cada dia que passa - vêem-se pessoas a perder o emprego, os subsídios e os abonos ao mesmo tempo que os bancos continuam a gozar de regalias enormes (imposto de 5%, enquanto as empresas normais são taxadas a 25%) e que os gestores públicos ganham dezenas e dezenas de milhares de euros.

Contra toda esta austeridade hipócrita foi convocada uma Greve Geral para dia 24 de Novembro. Mas esta greve geral não deve ser só para os trabalhadores, pois não são só eles que são afectados por estas medidas. Também nós, estudantes, somos afectados (e de que maneira!) directa e indirectamente.

O Ensino está cada vez mais caro - não só pela subida de propinas e dos preços dos vários serviços, mas também pela diminuição da acção social, que deveria permitir que toda a gente frequentasse o Ensino, independentemente de qualquer factor financeiro. Isto já se vê nos vários níveis de ensino:
  • no Secundário, o Governo prepara-se para cortar as contribuições para os passes de transportes públicos, e a privatização das escolas originará certamente o aumento dos preços dos vários serviços.
  • no Superior, as propinas sobem cada vez mais e, ao mesmo tempo, há cada vez menos acção social - milhares de estudantes perderam, este ano, bolsas de estudo, e deixarão de estudar por isso.
ONDE ESTÁ A JUSTIÇA E A GRATUITIDADE DO ENSINO?

Há cada vez menos dinheiro para o Ensino, o que se traduz em piores condições materiais e humanas em todos os níveis de Ensino.

PORQUE NÃO HÁ DINHEIRO PARA A EDUCAÇÃO, QUANDO SE GASTAM MILHÕES A AJUDAR OS BANCOS E A FINANCIAR GUERRAS?

Há cada vez menos condições para os professores, tanto no básico, como no secundário, como no superior. Aulas de Substituição e Planos de Recuperação (no Secundário), remunerações desadequadas, uma enorme carga horária e montes de burocracia sobrecarregam as vidas dos professores.

SE OS PROFESSORES NÃO ESTÃO SATISFEITOS, COMO PODEMOS TER UM ENSINO DE QUALIDADE?

Todos os anos, as famílias compram livros para os filhos, gastando muitas vezes centenas de euros e desferindo um rude golpe ao meio ambiente, quando os livros poderiam ser reaproveitados de ano para ano.

ONDE ESTÁ A GRATUITIDADE DO ENSINO? E A RESPONSABILIDADE ECOLÓGICA?

O desemprego nos jovens atinge os 20% e, dos trabalhos que há, 9 em cada 10 são precários.

QUE FUTURO ESTÁ A SER PREPARADO PARA NÓS?

Um ataque tão feroz e tão geral só pode ser combatido por toda a gente que está a ser afectada, UNIDA.

Os problemas do Ensino Superior também interessam aos Estudantes do Secundário, pois somos nós que lá vamos estar daqui a uns anos. E os problemas dos trabalhadores também interessam aos estudantes no geral, pois nós seremos os trabalhadores de amanhã!

Apenas uma resposta conjunta a estes ataques pode conduzir a uma vitória. Lutemos, juntos!

por Francisco Norega in Indymedia
 
Free counter and web stats subir